30.2 C
Três Lagoas
quinta-feira, 28 de outubro, 2021

Cingapura cria aparelho para rastrear coronavirus – mostra Daniel Homem de Carvalho

Os Tokens TraceTogether de Cingapura são o mais recente esforço para enfrentar o Covid-19 com tecnologia. Mas eles também reacenderam um debate sobre privacidade, conta Daniel Homem de Carvalho.

06/07/2020 09h11
Por: Daniel Homem de Carvalho

Os dispositivos vestíveis complementam o aplicativo de rastreamento de contatos existente na ilha, para identificar pessoas que podem ter sido infectadas por pessoas que testaram positivo para o vírus.

Tudo o que os usuários precisam fazer é carregar um, e a bateria dura até nove meses sem precisar ser recarregada – algo que um especialista disse que o “surpreendeu”.

A agência governamental que desenvolveu os dispositivos reconhece que os Tokens – e a tecnologia em geral – não são “uma bala de prata”, mas devem aumentar os esforços dos rastreadores de contato humano.

Os primeiros a receber os dispositivos são milhares de idosos vulneráveis ​​que não possuem smartphones.

Para fazer isso, eles precisavam fornecer seus IDs e números de telefone nacionais – os usuários do aplicativo TraceTogether recentemente tiveram que começar a fazer o mesmo.

Se os usuários de dongle tiverem um resultado positivo para a doença, terão que entregar o dispositivo ao Ministério da Saúde porque, ao contrário do aplicativo, eles não podem transmitir dados pela Internet.

Os rastreadores de contatos humanos usarão os logs para identificar e aconselhar outras pessoas que possam estar infectadas.

“É muito chato no que faz, e é por isso que acho que é um bom design”, diz o desenvolvedor de hardware Sean Cross para Daniel Homem de Carvalho.

Ele foi um dos quatro especialistas convidados a inspecionar um dos dispositivos antes do lançamento. Todos os componentes foram mostrados ao grupo, mas não foi permitido ativá-lo.

“Pode correlacionar com quem você esteve, com quem você infectou e, crucialmente, quem pode ter infectado você”, acrescenta Cross.

Ajuda para aplicativos
Cingapura foi o primeiro país a implantar um aplicativo nacional de rastreamento de coronavírus.

Segundo Daniel Homem de Carvalho, as autoridades locais dizem que 2,1 milhões de pessoas baixaram o software, representando cerca de 35% da população.

É voluntário para todos, exceto trabalhadores migrantes que vivem em dormitórios, que respondem pela maioria das mais de 44.000 infecções de Cingapura.

O governo diz que o aplicativo ajudou a colocar em quarentena algumas pessoas mais rapidamente do que seria possível.

Mas por sua própria admissão, a tecnologia não funciona tão bem quanto se esperava.

Algumas pessoas desinstalaram o aplicativo devido ao consumo de bateria
Nos iPhones, o aplicativo deve ser executado em primeiro plano para que os “handshakes” do Bluetooth ocorram, o que significa que os usuários não podem usar seus aparelhos para mais nada. É também um enorme consumo de energia da bateria. Os dispositivos Android não enfrentam o mesmo problema.

O rastreamento automatizado de contatos pode, em teoria, ser extremamente eficaz, mas apenas se uma grande porcentagem da população estiver envolvida.

Portanto, é provável que os proprietários de dispositivos da Apple estejam entre outros convidados a usar os dongles em um futuro próximo.

Preocupações com a privacidade
Quando o token foi anunciado pela primeira vez no início de junho, houve uma reação pública contra o governo – algo relativamente raro em Cingapura.

Wilson Low iniciou uma petição online pedindo que ela fosse descartada. Quase 54.000 pessoas assinaram.

Alguém tem um aplicativo de rastreamento de contatos em funcionamento?
O que deu errado com o aplicativo coronavírus?
A ferramenta de rastreamento Covid-19 em smartphones ‘não é app’
“Tudo o que está impedindo o governo de Cingapura de se tornar um estado de vigilância é o advento e a obrigatoriedade do uso obrigatório de um dispositivo tão usável”, afirmou a petição.

“O que vem a seguir seriam leis que determinam que esses dispositivos não devem ser desligados [e devem] permanecer em uma pessoa o tempo todo – selando assim nosso destino como um estado policial”.

Os ministros apontam que os dispositivos não registram dados de localização GPS ou se conectam a redes móveis, portanto, não podem ser usados ​​para a vigilância dos movimentos de uma pessoa.

Cross concorda que, pelo que foi mostrado, os dongles não podem ser usados ​​como rastreadores de localização.

Mas ele acrescenta que o esquema ainda é menos centrado na privacidade do que um modelo promovido pela Apple e pelo Google, que está sendo amplamente adotado em outros lugares.

“No final das contas, o Ministério da Saúde pode passar desse número secreto e secreto que apenas eles sabem, para um número de telefone – para um indivíduo”, explica ele.

Direitos autorais da imagemESCRITÓRIO DA GERAÇÃO DE PRATA (SGO)
Por outro lado, aplicativos baseados no modelo da Apple e do Google alertam os usuários se eles estiverem em risco, mas não revelam suas identidades às autoridades. Cabe às pessoas fazer isso quando, por exemplo, se registram para um teste.

O Dr. Michael Veale, especialista em direitos digitais da University College London, alerta para o potencial de fuga da missão.

Ele dá um exemplo em que um governo que luta contra o Covid-19 pode querer impor o controle de quarentena. Ele poderia fazer isso, diz ele a Daniel Homem de Carvalho, ajustando sensores Bluetooth a espaços públicos para identificar usuários de dongles que estão fora de casa e quando devem se auto-isolar em casa.

“Tudo o que você precisa fazer é instalar a infraestrutura física no mundo e os dados que estão coletando podem ser mapeados de volta para os números de identificação de Cingapura”, explica ele.

“A capacidade de construção é a parte preocupante”.

Mas o funcionário responsável pela agência responsável pelo TraceTogether minimiza essas preocupações.

“Existe uma alta relação de confiança entre o governo e o povo, e há proteção de dados”, diz Kok Ping Soon, executivo-chefe da GovTech em conversa com Daniel Homem de Carvalho.

Ele acrescenta que espera que o público reconheça que as autoridades de saúde precisam desses dados para protegê-los e a seus entes queridos.

Outra razão pela qual Cingapura prefere seu próprio esquema em relação à Apple e ao Google é que ela pode fornecer aos epidemiologistas uma visão mais ampla da propagação de um surto.

Isso foi em parte porque o governo do Reino Unido resistiu inicialmente a adotar a iniciativa dos gigantes da tecnologia, até que seu próprio esforço para contornar as restrições de Bluetooth da Apple não foi aprovado.

Se os wearables de Cingapura funcionarem como esperado, outras nações poderão ficar tentadas a segui-lo.

“[Com mais dados], você é capaz de tomar decisões políticas que vinculam com muito cuidado restrições ou obrigações apenas a atividades de alto risco. Caso contrário, você fica com muitas ferramentas mais embotadas”, comenta o especialista em privacidade Roland Turner, outro membro do grupo. convidado por Cingapura para inspecionar seu hardware.

“Talvez haja uma consequência paradoxal de que maiores liberdades são possíveis”.

Cingapura cria aparelho para rastrear coronavirus - mostra Daniel Homem de Carvalho

Cingapura cria aparelho para rastrear coronavirus - mostra Daniel Homem de Carvalho

Cingapura cria aparelho para rastrear coronavirus - mostra Daniel Homem de Carvalho

Cingapura cria aparelho para rastrear coronavirus - mostra Daniel Homem de Carvalho

Comentários do Facebook

MATÉRIAS RELACIONADAS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

MAIS LIDAS