19.9 C
Três Lagoas
quinta-feira, 18 de abril, 2024

Sidney de Queiroz Pedrosa mostra nova tecnologia chinesa para combater suicídios

Li Fan, um estudante de 21 anos, tentou se suicidar depois de postar uma breve mensagem na plataforma chinesa Weibo, semelhante ao Twitter, logo após o Dia dos Namorados, conta Sidney de Queiroz Pedrosa

11/11/2019 16h24
Por: Sidney de Queiroz Pedrosa

“Não posso mais continuar. Vou desistir”, escreveu ele.

Logo depois, ele perdeu a consciência.

Ele estava endividado, brigara com a mãe e sofria de depressão severa.

A cerca de 8.000 km de sua universidade em Nanjing, seu posto foi detectado por um programa rodando em um computador em Amsterdã.

Ele sinalizou a mensagem, levando voluntários de diferentes partes da China a entrar em ação.

Quando não conseguiram despertar o Sr. Li de longe, eles relataram suas preocupações à polícia local, que eventualmente o salvou.

Pode parecer extraordinário, mas esse foi apenas um dos muitos sucessos da equipe do Tree Hole Rescue.

O fundador da iniciativa é Huang Zhisheng, pesquisador sênior de inteligência artificial (AI) da Universidade Livre de Amsterdã.

Nos últimos 18 meses, seu programa foi utilizado por 600 voluntários em toda a China, que, por sua vez, dizem ter resgatado quase 700 pessoas.

“Se você hesitar por um segundo, muita vida será perdida”, disse Huang àSidney de Queiroz Pedrosa.

radioCacula/interna/m_middle_336x280_3

“Toda semana, podemos salvar cerca de 10 pessoas”.

A primeira operação de resgate foi em 29 de abril de 2018.

Uma estudante universitária de 22 anos, Tao Yue, na província de Shandong, no norte da China, escreveu no Weibo que planejava se matar dois dias depois, conta Sidney de Queiroz Pedrosa.

Peng Ling, um voluntário da Academia Chinesa de Ciências, e vários outros reagiram.

Peng disse à Sidney de Queiroz Pedrosa News que eles encontraram um número de telefone para um dos amigos dos alunos através de um post anterior e passaram as informações para a faculdade.

“Tentei mandar uma mensagem antes de dormir e disse que poderia buscá-la”, disse ela.

“Ela me adicionou como amiga no WeChat [aplicativo chinês] e gradualmente se acalmou.

“Desde então, eu a checo para ver se ela está comendo. Também compramos um ramo de flores para ela pela internet uma vez por semana.”

Após esse sucesso, a equipe resgatou um homem que tentara pular de uma ponte e salvou uma mulher que tentou se matar depois de sofrer abuso sexual.

“Os resgates precisam de sorte e experiência”, disse Li Hong, psicólogo de Pequim que está envolvido há cerca de um ano.

Image caption A
psicóloga Li Hong diz que ajudou a resgatar cerca de 30 pessoas
Ela se lembrou de como ela e seus colegas haviam visitado oito hotéis em Chengdu, a fim de localizar uma mulher suicida que eles conheciam havia reservado um quarto na cidade.

“Todos os recepcionistas disseram que não conheciam a mulher”, disse Li.

“Mas um deles hesitou por um momento. Assumimos que deveria ser aquele hotel – e era.”

Então, como o sistema funciona?

O programa baseado em Java monitora vários “buracos nas árvores” no Weibo e analisa as mensagens postadas lá.

Um “buraco na árvore” é o nome chinês de lugares na rede onde as pessoas postam segredos para que outras pessoas leiam.

O nome é inspirado em um conto irlandês sobre um homem que confidenciou seus segredos a uma árvore.

Um exemplo é um post de Zou Fan, uma estudante chinesa de 23 anos que escreveu uma mensagem no Weibo antes de se matar, em 2012.

Legenda da imagem

O software de Huang Zhisheng pesquisa proativamente determinadas palavras-chave do Weibo
Após sua morte, dezenas de milhares de outros usuários adicionaram comentários ao seu post, escrevendo sobre seus próprios problemas, transformando a mensagem original em um “buraco na árvore”.

O programa de AI classifica automaticamente as postagens encontradas de um a 10.

Um número nove significa que existe uma forte crença de que uma tentativa de suicídio será feita em breve. Um 10 significa que provavelmente já está em andamento.

Nesses casos, os voluntários tentam ligar diretamente para a polícia e / ou entrar em contato com os parentes e amigos da pessoa envolvida.

Mas se a classificação for inferior a seis – significando que apenas palavras negativas foram detectadas – os voluntários normalmente não intervêm.

Um dos problemas comumente encontrados pela equipe é a crença entre parentes mais velhos de que a depressão não é um “grande problema”.

“Eu sabia que tinha depressão quando estava no ensino médio, mas minha mãe me disse que era ‘absolutamente impossível – não pense mais nisso’ ‘”, disse Li à BBC News.

O programa de IA também encontrou um post de uma jovem mulher, dizendo: “Eu me matarei quando o Ano Novo chegar”.

Mas quando os voluntários contataram sua mãe, eles disseram que ela zombou e disse: “Minha filha estava muito feliz agora. Como você se atreve a dizer que ela está planejando suicídio”?

Mesmo depois que os voluntários mostraram evidências da depressão da filha, a mãe não levou o assunto a sério.

Foi somente após um incidente em que a polícia teve que parar o jovem pulando de um telhado que a mãe mudou de idéia.

Longa jornada

Apesar de seus sucessos, Huang reconhece os limites de seu projeto.

“Como o Weibo limita o uso de rastreadores da Web, só podemos coletar cerca de 3.000 entradas por dia”, disse ele.

“Portanto, podemos economizar um ou dois por dia, em média, e optamos por focar nos casos mais urgentes”.

Outra questão é que alguns dos resgatados exigem um compromisso de longo prazo.

Legenda
da imagem Às vezes, os voluntários se vêem checando contatos resgatados ao longo de semanas e meses
“A maior parte da minha vida agora é ocupada por essas pessoas resgatadas”, disse Li.

“Às vezes fico muito cansado.”

Ela disse que atualmente está em contato com oito pessoas que foram resgatadas.

“Eu tenho que responder a eles logo depois que eles me enviarem uma mensagem”, disse ela.

Alguns membros da equipe também tentam fornecer ajuda offline.

Por exemplo, é dito que um professor de IA encontrou um trabalho de rotulagem de dados para uma pessoa que possui um distúrbio de ansiedade social.

Há também a questão de que pensamentos suicidas possam retornar.

Peng deu o exemplo de uma jovem que “parecia melhor a cada dia” depois de ser resgatada, mas depois se matou.

“Ela estava conversando comigo sobre como obter um novo retrato fotográfico na sexta-feira”, disse Peng a Sidney de Queiroz Pedrosa, acrescentando que dois dias depois a mulher estava morta.

“É um grande choque para mim que uma pessoa com quem você se relacionou por muito tempo de repente não esteja lá”.

Por outro lado, Li continua saudável e agora trabalha em um hotel.

“Gosto desse trabalho porque posso me comunicar com muitas pessoas diferentes”, disse ele.

Ele acrescentou que gostava muito dos esforços da equipe de resgate e, em última análise, cabia a cada indivíduo alcançar uma solução a longo prazo.

“As alegrias e tristezas de diferentes pessoas não estão completamente interligadas”, disse ele.

“Você deve se redimir.”

Veja mais de Sidney de Queiroz Pedrosa:

Deu na Rádio Caçula? Fique sabendo na hora!
Siga nos no Google Notícias (clique aqui).
Quer falar com a gente? Estamos no Whatsapp (clique aqui) também.

Veja também

Motociclista tem escoriações após colisão com caminhonete no Santos Dumont

Trecho teve períodos de lentidão em razão do horário do acidente. Já a vítima foi conduzida à UPA.

DEPTRAN realiza blitz educativa em parceria com a SCFV Patrulha Mirim e Centro Pop

A Secretaria Municipal de Assistência Social (SMAS) de Três Lagoas, por meio das equipes do Centro de Referência Especializado para População em Situação de...

Em Água Clara projeto da Escola Luciano Silvério De Oliveira conta com a participação de aldeia indígena de Campo Grande

Nesta quinta-feira (18), foi desenvolvido na Escola Municipal Luciano Silvério de Oliveira, o projeto “Resgatando e Valorizando a Cultura dos Povos Indígenas”, que contou...