24.2 C
Três Lagoas
quarta-feira, 17 de agosto, 2022

Dirigente reduzia almoço de quem “comia demais” e impediu idosa de ir ao médico

Presidente de asilo está afastada de lá por força de medida protetiva

Depoimentos de funcionários e ex-funcionários da ILPI (Instituição de Longa Permanência de Idoso) no bairro Taveirópolis, confirmam casos de maus-tratos a idosos por parte da dirigente do local que está afastada de lá por força de medida protetiva.

Ouvidos na semana passada, os trabalhadores relataram ter presenciado gritos e comportamento agressivo da mulher contra os assistidos, como por exemplo, o empurrão de colher de comida contra idosa que se negava a comer. “Dava pra ouvir o barulho do talher batendo em sua dentadura”, disse uma ex-funcionária.

O momento do almoço era “a hora do terror” no local porque era o momento em que a dirigente saia de sua sala, às 11 horas e passava a causar transtornos à equipe e aos idosos, inclusive trocando os pratos destinados a idosos com necessidades específicas, o que era cuidado pelos funcionários da cozinha.

Conforme a depoente, os pratos eram organizados em fila por padrão de alimentação: papinhas, comidas sólidas, restrições alimentares e quantidade de alimento. Mas quando a dirigente chegava, ela misturava a ordem dos pratos e que idosos que, segundo ela, “comiam demais”, recebiam menos comida e os que comiam pouco, recebiam mais.

Para estes últimos, ela costumava dizer que “se não comer vai morrer, e se morrer entra outro no lugar”, além de que os idosos com transtornos mentais mais sérios ou algum tipo de demência eram os principais alvos das agressões verbais e em algumas ocasiões, uma idosa que se alimenta com dificuldade, foi apressada a encerrar sua refeição. A dirigente batia na mesa enquanto exigia que a mulher terminasse logo de comer.

Para piorar o clima de terror, as refeições não demoravam mais do que 15 minutos e assim que terminavam de comer, os idosos eram obrigados a voltar para seus quartos, sem atividades ou momentos de lazer.

Ainda houve relatos de que muitos dos idosos que antes da mudança de gestão da casa se comportavam adequadamente, sem surtos e mais equilibrados, passaram a ter piora no quadro psicológico e psíquico, inclusive com impedimento de irem em consulta com Psiquiatra no CEM (Centro de Especialidades Médicas).

Conforme o depoimento de mais um funcionário, a idosa havia sido impedida de ir ao médico simplesmente porque a dirigente teria implicância com aqueles que tinham transtornos mentais. Assim, a vítima começou a se sentir cada vez mais triste e teve seu quadro de saúde agravado, melhorando assim que a dirigente parou de ter contato com ela.

Câmeras

Um dos idosos que imagens das câmeras de segurança mostram estar sendo agredido pela dirigente é irmão dela, que nem ao menos era interno do asilo. Ocorre que ela o havia levado para lá porque ele estaria morando na rua e num dia, no horário do almoço, ele exigiu repetir a refeição porque a irmã dele era a responsável pelo local. O desentendimento entre os dois começou aí.

A dirigente então pediu à equipe do asilo que o levasse até o quarto e acabou o agredindo, determinando inclusive que seus pertences fossem juntados para que fosse embora. Assim, funcionários viram que ele estava com vários arranhões no pescoço e no rosto.

Em seguida, a dirigente entrou em contato com um terceiro irmão para retirar o outro de lá, mas ele disse a ela que não tinha para onde levá-lo. A dirigente então pediu ao motorista da entidade que tirasse o irmão do asilo dizendo que poderia “jogá-lo no lixão ou na rodoviária”.

Depoimento de funcionária ao MP. (Foto: Reprodução)

Os depoimentos ainda relataram casos de agressões verbais, chamando idosas de gordas e idoso de “estuprador”; dizia ainda a outros que nem mesmo os familiares os aguentavam ou que “antes comiam lixo e agora querem escolher o que comer”.

Pelos relatos, inclusive de funcionários que a conheciam antes de começar a dirigir a Casa do Aconchego, ela foi avisada de seu comportamento inadequado e explosivo, mas ela não dava ouvidos a ninguém e, ainda, teria ameaçado funcionário demitido de que “acabaria com sua carreira” caso fizesse algo para prejudicá-la.

Apesar do comportamento da dirigente, nos depoimentos, maioria dos ouvidos afirmaram que a dirigente nunca deixou faltar alimentos e outros produtos no asilo e mantinha organização e limpeza adequadas.

As declarações foram dadas à promotora Cristiane Barreto Nogueira Rizkallah, da 44ª Promotoria de Justiça, que lida diretamente com assuntos referentes à defesa de idosos.

Afastamento 

A mesma promotoria, em ação que move para apurar os supostos maus-tratos e apura a irregularidade na entidade, pediu em emenda à petição inicial, o afastamento definitivo da dirigente de suas funções de administração à frente do asilo.

No mesmo documento, o MP pede que o município de Campo Grande nomeie equipe de servidores para exercício temporário das funções de dirigente/presidente, até que seja decidido sobre eventual mudança da gestão responsável ou eleição de nova diretoria.

Também solicita que o juiz David de Oliveira Gomes Filho, da 2ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos, defira o pedido para que a prefeitura monitore temporariamente a nova gestão – quando houver -, “a fim de garantir serviços e tratamento dignos, respeitosos e adequados para os idosos”.

Informações do site Campo Grande News

Comentários do Facebook

MATÉRIAS RELACIONADAS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

MAIS LIDAS

error: Conteúdo Protegido