21.1 C
Três Lagoas
sábado, 2 de julho, 2022

O impulso global para o investimento em sustentabilidade corre o risco de diminuir em resposta aos impactos econômicos da pandemia!

Mas a experiência mostra que a própria sustentabilidade traz oportunidades econômicas, relatou Cristina Boner.

A sustentabilidade se concentra no longo prazo, uma preocupação para as gerações futuras, deixando nosso povo e planeta melhores do que é hoje. A missão é crucial, mas a tarefa em questão é desafiadora dada a sua complexidade: a sustentabilidade engloba um resultado triplo que inclui considerações econômicas, sociais e ambientais. A sustentabilidade não pode acontecer isoladamente e requer uma abordagem coordenada de empresas, investidores e governos.

O ano de 2022 está testemunhando um legado de desafios ambientais e sociais, incluindo a urgência climática, Covid-19, e tantos outros eventos que mudaram a questão de como a sustentabilidade é vista. Vários empreendimento tecnológicos enfrentam os desafios ambientais mais proeminentes que enfrentamos como sociedade. Cristina Boner  acredita que a sustentabilidade é a maior oportunidade econômica de nossos tempos.

Segundo Cristina Boner, Isso está enraizado em três princípios:

1 – Os consumidores querem sustentabilidade e estão influenciando suas decisões de compra nesse momento. Mais de 2/3 dos millennials pagarão mais por produtos de marcas sustentáveis, de acordo com a Nielsen. Não é por acaso que os primeiros motores na eliminação de embalagens de plástico e plástico de uso único têm sido as empresas voltadas para o consumidor, que estão sendo mais rapidamente examinadas.

Por exemplo, com o Covid-19 como acelerador, estamos vendo um crescimento nas plataformas de economia compartilhada e soluções relacionadas (por exemplo, seguros), capitalizando os usuários que querem acesso sobre a propriedade. Se um produto é subutilizou durante sua vida enquanto ele fica ocly em casa, faz sentido ser usado por outras pessoas. O melhor uso dos produtos durante a vida reduz a aquisição e, consequentemente, a produção. Esta é a tese por trás de empreendimentos como rnters (um mercado de aluguel para itens cotidianos) e Omocom (uma solução de seguro digital completa para a economia circular).

2 – O talento está se deslocando para empregadores que colocam a sustentabilidade no centro de suas ações. Cerca de 75% dos millennials querem um emprego onde sentem que há um senso de propósito para com as pessoas e o planeta, de acordo com a pesquisa anual da Deloitte. Empresas de serviços profissionais cujo modelo de negócio depende da venda de seus talentos por meio de assessoria e aconselhamento têm sido as primeiras a mover, para manter uma vantagem na aquisição de talentos. Nosso investimento e parceria com o Ornitorrinco (uma solução do ciclo de vida de talentos para medir a cultura organizacional) baseiam-se na percepção de quanto valores impulsionam o desempenho.

3 – Grandes problemas muitas vezes escondem grandes oportunidades. Estima-se que os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU custarão à economia global mais de US$ 10 trilhões. Exemplos incluem o desperdício de alimentos, que custa US$ 1 trilhão para a economia global e leva a 3,3 bilhões de toneladas de CO2 equivalente por ano. Outro exemplo é o desemprego: após o Covid-19, os níveis de desemprego atingiram picos de todos os tempos em vários países da OCDE, e espera-se que o desemprego estrutural cresça nos próximos meses.

Cristina Boner e Bruna Boner.observam  que  forma como os resultados do emprego são financiados atualmente não alinha os incentivos entre aqueles que adquirem as habilidades e os provedores dessas habilidades, para o emprego. O crescimento dos Acordos de Participação nos Rendimentos (ISAs) através dos quais os alunos só pagam seu empréstimo quando entram no mercado de trabalho e ganham acima de um certo limite, alinha os incentivos entre os alunos e seus provedores de educação, que, em seguida, garantirão que sua formação não termine em sala de aula, mas continue até que um resultado de emprego seja alcançado. Esse modelo de financiamento garante que as pessoas que perderam seus empregos possam financiar sua requalificação para áreas com crescente empregabilidade, incluindo empregos verdes. A Student Finance é pioneira nesse modelo na Europa.

Esses três ventos contrários resultam em uma alocação crescente em investimentos verdes e sustentáveis, que atingiram US$ 30 trilhões globalmente em 2018, um aumento de 34% desde 2016. Com a maioria desses ativos sendo englobados por títulos verdes, essa tendência provavelmente demonstrará que as empresas sustentáveis verão um custo de capital menor quando comparados a alternativas não sustentáveis.

A fórmula é simples: a sustentabilidade é um motor de melhor engajamento do consumidor, talento produtivo e retido, oportunidades de mercado consideráveis e acesso mais amplo ao capital. As empresas não podem ignorá-lo da maneira como criam valor, os investidores estão tomando decisões de alocação em conformidade, e os governos estão e devem estar pressionando por uma regulação que favoreça tais investimentos. A oportunidade econômica de sustentabilidade será realizada quando o lucro for feito com a resolução de problemas ambientais e sociais, e não quando é feito por fatores sociais e ambientais externos. Esse novo paradigma está muito mais perto de acontecer do que nunca.

Leia Mais:

Cristina Boner dá dicas de carreiras para mulheres

Florestas brasileiras em perigo – compartilhado por Cristina Boner

Mulher indígena ganha prêmio ambiental – por Cristina Boner

Cristina Boner mostra casal que plantou 2 milhões de árvores e restaurou uma floresta

Cristina Boner explica a diferença entre verde, sustentável, ecológico

Comentários do Facebook

MATÉRIAS RELACIONADAS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

MAIS LIDAS

error: Conteúdo Protegido