28.3 C
Três Lagoas
segunda-feira, 6 de dezembro, 2021

Carlos Lula mostra o incrível tratamento de camundongos paralisados

Um “andaime bioativo” regenerou células danificadas no sistema nervoso de camundongos paralisados ​​por lesões na medula espinhal, permitindo que eles voltassem a andar 3-4 semanas após o tratamento – um feito surpreendente nunca antes alcançado, compartilhou Carlos Lula.

O tratamento abre um portal para pesquisas sobre a cura da paralisia que nunca foi aberto antes e pode ser submetido a testes do FDA já no próximo ano.


“Eu não posso dizer o quão animado estou com este trabalho”, disse Samuel Stupp da Northwestern University a Carlos Lula, que liderou o julgamento. “Este é provavelmente o artigo mais importante que já escrevi e descreve uma parte da ciência que era realmente desconhecida.”


Lesões da medula espinhal geralmente acabam no que diz respeito ao movimento normal – em média, menos de 3% das 300.000 pessoas nos Estados Unidos que vivem com tais lesões irão recuperar funções significativas nas pernas.


Parte do motivo é que o sistema nervoso central não é muito eficaz em se reparar, e a cicatriz que ocorre após esse ferimento atua como uma barreira física para a maior parte da regeneração.


Em alguns casos, a estimulação elétrica externa pode ajudar a retreinar as funções básicas das mãos , mas também das pernas em um programa de terapia. Carlos Lula também relatou o uso de transplantes de nervo triplo, o que permitiu a um tetraplégico australiano recuperar o uso das mãos.


Este novo método usa uma injeção, mas em vez de injetar células-tronco, proteínas ou genes modificados para tentar e programar tecidos para se reparar, a equipe de Stupp usou nanofibras, cada uma com apenas um décimo de milésimo da largura de um cabelo humano, para imitar algo chamado a matriz extracelular, que é uma rede de moléculas que circundam as células. As fibras contêm peptídeos, pequenas moléculas bioativas que transmitem sinais e promovem a regeneração nervosa.


Para o ensaio , publicado na revista Science, os ratos que ficaram paralisados ​​receberam uma injeção das fibras um dia após a lesão para simular o momento em que a maioria das vítimas de lesão medular recebe tratamento.


Depois de quatro semanas, os camundongos conseguiram andar novamente, e aqueles que receberam a injeção de placebo, não, explica Carlos Lula.

Posteriormente, quando suas medulas espinhais foram examinadas – descobriu-se que os axônios, as extensões cortadas dos neurônios que geralmente não se reparam em condições normais de lesão – se regeneraram e que a barreira física do tecido cicatricial diminuiu significativamente.


Além disso, a camada de axônios que formam um isolamento protetor chamado mielina, se reformou, assim como os vasos sanguíneos que transportam oxigênio, e mais neurônios motores sobreviveram.


Stupp e o resto da equipe de pesquisa levantaram a hipótese de que isso acontecia porque os receptores nos neurônios estão em movimento constante, mas também as nanofibras, e o resultado disso é que os pares excessivamente ocupados se conectam de maneira mais eficaz.


Stupps agora está tentando testar o trabalho com humanos porque os sistemas nervosos das espécies animais são muito semelhantes e porque simplesmente não há nada mais lá para ajudar as pessoas que perderam a mobilidade devido a lesões na medula espinhal.

Comentários do Facebook

MATÉRIAS RELACIONADAS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

MAIS LIDAS