25.2 C
Três Lagoas
segunda-feira, 27 de setembro, 2021

Áudio revela tiros e desespero de vendedor que viu namorada ser executada

Áudio a que o a reportagem teve acesso, revela o momento do ataque a tiros que resultou na morte da jovem Bruna Moraes Aquino, de 22 anos, há dez dias no Jardim Itamaracá, em Campo Grande. São apenas 40 segundos de gravação, mas que refletem a tensão do atentado, cujas circunstâncias ainda intrigam a polícia.

No áudio é possível ouvir a voz do namorado da jovem, o vendedor Ewerton Fernandes da Silva, de 34 anos, que também foi baleado. Ele estava em uma ligação quando foi surpreendido pelo atirador. “Uai, acabei de falar para você que eu já vou aí levar o dinheiro”, diz Ewerton. A fala é interrompida por dois disparos.

“Ai, ai… eita porra (sic)”, grita o rapaz, pouco antes de um terceiro disparo. “Ah, meu Deus”, encerra o áudio. Não é possível ouvir a voz de Bruna no áudio, mesmo ela estando sentada ao lado do namorado, dentro de um veículo Gol. A veracidade da gravação foi confirmada pelo advogado do vendedor, Raimundo Rodrigues Nunes Filho, e também por amigos e familiares do rapaz.

Depoimento – Ewerton prestou depoimento à Polícia Civil nesta tarde, depois de ser hospitalizado e passar por cirurgias no braço por conta do tiro. O vendedor afirmou que lembra pouca coisa do momento dos tiros e garante que não conseguiu reconhecer o assassino da namorada, que teria chegado a pé. “Lembro apenas que veio uma pessoa do lado da janela e efetuou os disparos”, comentou. O depoimento foi prestado na 4ª Delegacia de Polícia Civil de Campo Grande, na Moreninha II.

O crime – Era noite de 1º de setembro, Bruna estava com o namorado Ewerton no Gol prata, em uma rua de chão, próximo ao macro anel rodoviário, quando um homem, ainda não identificado, usando roupas escuras e capacete, se aproximou do veículo a pé, parou do lado da porta do passageiro e disparou contra o casal.  Após o ataque, Ewerton acelerou o carro e foi para a UPA (Unidade de Pronto Atendimento) Universitário com a namorada inconsciente.

No primeiro depoimento na delegacia, Ewerton disse aos policiais que não sabia quem seria o autor dos disparos, mas contou que três dias atrás, entre os dias 29 e 30 de agosto, ele e Bruna foram perseguidos por dois homens em uma moto, que atiraram contra o carro, depois de confusão em casa noturna na Av. Ernesto Geisel com a Av. Salgado Filho. A polícia também apura se o crime tem ligação com a extensa ficha criminal de Ewerton e se teria sido motivado por vingança.

Informações do site Campo Grande News

Comentários do Facebook

MATÉRIAS RELACIONADAS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

MAIS LIDAS

Comentários do Facebook