19/06/2017 09h57

Padrasto tenta estuprar adolescente e diz que ela merece o abuso por ser homossexual

O crime aconteceu quando a adolescente tentou ajudar a mãe que estava sendo agredida pelo companheiro

 
Por: Ana Carolina Kozara
 
 

Publicidade

O padrasto de uma jovem de 16 anos tentou estuprar a adolescente na noite do ultimo sábado (17) depois que a menina interveio na briga entre o homem e sua mãe.

O caso aconteceu no residencial Novo Oeste, condomínio Pardal, e de acordo com informações de testemunhas, o homem agride constantemente mãe e filha e no ultimo domingo (11) tentou atear fogo no apartamento onde a família vive.

A adolescente estava em casa na companhia de alguns amigos quando o padrasto começou a discutir e agredir sua mãe e no momento que tentou intervir na briga, foi arrastada para o quarto do apartamento, arremessada na cama e ouviu da boca de seu padrasto que ele merecia ser estuprada por dois homens porque é lésbica.

O homem não conseguiu consumar o estupro, pois assim que percebeu que a Polícia Militar foi acionada, agarrou sua esposa pelos cabelos e a arrastou até um matagal que fica nas proximidades do condomínio Novo Oeste.

Temendo pela vida da mãe, a adolescente ainda teria entrado no matagal e ao encontrar o casal, foi esfaqueada pelo padrasto.

Equipes da Rádio Patrulha, ROTAI (Rondas Ostensivas Táticas do Interior) e o Pelotão de Trânsito realizaram um cerco na região e iniciaram buscas no matagal. A situação era considerada delicada, pois o homem é muito violento, estava armado e poderia assassinar a mulher a qualquer momento.

Durante as buscas, as unidades operacionais receberam a informação de que a mulher o marido teriam retornado para casa, mas no momento que as policiais chegaram ao apartamento, foram informados pela vítima que nada estaria acontecendo naquele local, negando ter sido agredida pelo companheiro.

A mulher não quis representar criminalmente contra o marido, mas o fato de o homem ter tentado estuprar a enteada e a esfaqueado fizeram com que os policiais detivessem o homem e o levassem até a delegacia de pronto atendimento comunitário (DEPAC), onde foi autuado em flagrante.

Apesar de a filha estar ferida e passando por atendimento no hospital, a mulher continuava afirmando que nada havia acontecido.

Envie seu Comentário