06/10/2017 08h44

Banda Cristo Redentor comemora história de 50 anos de sucesso

É uma trajetória que se inicia com a antiga Guarda Mirim e que conserva como herança as práticas de disciplina e responsabilidade

 
Por: Assessoria de Imprensa
 
 

Publicidade

A Banda Marcial Cristo Redentor, na atual gestão um dos vários Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV), mantidos pela Secretaria de Assistência Social (SAS) de Três Lagoas, vem comemorando e revivendo, desde o dia 1º de outubro, uma rica história de 50 anos de sucesso.

As comemorações começaram a ser partilhadas com os mais de 220 alunos, crianças, adolescentes e jovens, dos 11 anos em diante, que participam, de segunda-feira a sexta-feira, em dois períodos, do SCFV Banda Cristo Redentor, coordenado pelo maestro Luiz Carlos Relíquias.

O auge das comemorações do Jubileu de Ouro (50 anos) será em evento especial, agendado para o dia 15 de dezembro, numa sexta-feira, com uma histórica apresentação, já denominada "Audição dos 50 Anos da Banda Cristo Redentor".

Nesse dia, "estaremos também prestando homenagens merecidas a várias pessoas e suas famílias, que marcaram, de uma maneira ou de outra, a história da nossa Banda Marcial Cristo Redentor", anunciou a secretária de Assistência Social de Três Lagoas, Vera Helena Arsioli Pinho.

INSTITUTO MUSICAL CRISTO REDENTOR

Oficialmente fundada em 1º de outubro de 1967, data da promulgação da Lei que instituiu a Guarda Mirim no município de Três Lagoas, proposta pelo então vereador e ex-presidente da Câmara Municipal, Antônio Tuno Correa da Costa, a Banda Marcial Cristo Redentor surgiu incluído no antigo Instituto Musical Cristo Redentor, entidade que dava personalidade jurídica à Guarda Mirim.

Nos primeiros anos de existência, o Instituto Musical Cristo Redentor possuía sua sede numa área cedida em comodato pela Cesp – Centrais Elétricas do Estado de São Paulo, na antiga Avenida Urubupungá, número 3240 – Hoje Avenida Ranulpho Marques Leal (perímetro urbano da BR-262), em frente à Unidade II da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), no prédio, onde até a poucos anos, existia uma moradia estudantil universitária.

No primeiro ano de mandato do saudoso ex-prefeito Miguel Jorge Tabox, no dia de aniversário da Cidade, em 15 de junho de 1989, a Banda Cristo Redentor, inativa por quatro anos, ressurge com a Guarda Mirim e é transferida para um prédio da Prefeitura de Três Lagoas, onde hoje é a Secretaria Municipal de Educação e Cultura (SEMEC), no Centro Cultural Professora Irene Marques Alexandria.

O Instituto Musical Cristo Redentor teve como primeiro responsável e praticamente fundador, Átila Rodrigues Falcão, conhecido e chamado de "Comandante Ávila", policial militar e inspetor de menores. Com ele, mais diretamente responsável pela instrução musical, o maestro Vanderley Monteiro e, posteriormente, o famoso maestro Tertuliano de Lima, entre os inúmeros profissionais da música instrumental que passaram pela Banda Marcial Cristo Redentor, nos 50 anos de sua história.

"Temos muitas histórias a lembrar e para contar às nossas crianças, adolescentes e jovens. É uma história marcada com belos e enriquecedores exemplos de caráter, disciplina, educação, persistência e tenacidade", destacou o maestro Relíquias, que ingressou na Guarda Mirim com 15 anos.

Desde junho de 1996, Luiz Carlos Relíquias é maestro da Banda Marcial Cristo Redentor.

"Primeiro a gente ingressava na Guarda Mirim. Depois é que fazia o teste de aptidão para participar dos ensaios e aprendizado da banda", contou ele.

"Era um tempo em que a gente se orgulhava ser um guarda mirim, mudar de patente e subir na vida, trabalhando como menino no Banco do Brasil, Cesp e outras empresas de nome da cidade, naquela época", lembrou o maestro.

HERANÇA

Uma das heranças que marcam a história dos 50 anos da Banda Marcial Cristo Redentor e que tem influenciado no resultado de inúmeras conquistas em competições nacionais, estaduais e regionais, "é a disciplina e a seriedade na partilha de responsabilidades, importantes e básicos fundamentos para a educação", ressaltou o maestro Relíquias, coordenador do SCFV Banda Cristo Redentor.

"Disciplina é a palavra chave das nossas conquistas", repetiu o maestro. Ele também confessou que, nas apresentações que a Banda tem feito em outras cidades, "sinto alegria e orgulho do que as pessoas falam dos componentes da nossa Banda, quando se referem à disciplina e ordem que mantêm por onde já passamos", contou.

Só neste ano, a Banda Cristo Redentor já se apresentou mais de 80 vezes, não só em Três Lagoas, mas também em outras cidades do Mato Grosso do Sul e interior do estado de São Paulo.

"Temos muitos convites para apresentações nas festas de aniversário das cidades, exposições e outros eventos", informou o maestro.

HISTÓRIA DE SUCESSOS

"Há um bom tempo estamos obtendo o resultado do reconhecimento de uma história de sucessos, conquistados ao longo dos anos, com disciplina, humildade e seriedade", observou.

"É uma história construída com 10 títulos de campeã nacional, 12 estaduais e incontáveis segundos e terceiros lugares de concursos e competições diversas" contou Relíquias ao mostrar a enorme coleção de troféus da Banda Cristo Redentor.

O primeiro título de campeã nacional foi na cidade de Taubaté (SP), em 2004, quando foi "quebrada" a sequência de títulos conquistados pela então campeã, uma Banda de Campo Grande.

"Temos orgulho de contar às nossas crianças, adolescentes e jovens do SCFV que temos uma história marcada com alguns títulos, como, Tricampeã Nacional de Bandas e Fanfarras no Concurso da Rádio Record (SP); Heptacampeã Estadual de Bandas e Fanfarras no estado de Mato Grosso do Sul; Campeã Nacional do Concurso na Cidade de Goiânia (GO), e outros", lembrou o maestro.

Envie seu Comentário