AGRO

Dose da vacina contra aftosa será reduzida em maio

Alteração da dose de 5 ml para 2 ml faz parte do Programa Nacional de Erradicação da Febre Aftosa

 
 

08/02/2019 14h24
Por: Deyvid Santos

 
 

Dando continuidade às ações do Programa Nacional de Erradicação da Febre Aftosa (PNEFA) o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) anunciou nesta semana a redução da dose da vacina contra aftosa que valerá a partir de maio.

Com a mudança de 5 ml para 2 ml, a expectativa é de que diminuam as ocorrências de reação nos animais.

Conforme explicou o diretor-presidente da Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal (Iagro), Luciano Chiochetta, logo na primeira etapa da vacinação deste ano, ou seja, a partir de maio, a dose da vacina contra a febre aftosa será reduzida de 5 ml para 2 ml em Mato Grosso do Sul e na maioria dos outros estados.

Com relação aos estoques, Luciano comentou ainda que o próprio Ministério já verificou e se certificou de que os laboratórios produtores possuem quantidade suficiente do novo produto para atender à demanda dos criadores em todo País.

Status Sanitário

Sobre o trabalho em Mato Grosso do Sul para transição do status sanitário, – de livre da febre aftosa com vacinação para livre sem vacinação-, Luciano afirmou que os projetos que visam a reformulação de todo serviço de defesa, como adequação do quadro de pessoal e capacitação dos servidores, está em fase de finalização e deve começar a ser colocado em pratica ainda este semestre. Outras ações, segundo ele, fazem parte da reformulação do serviço, como reestruturação das unidades regionais e locais, frota de veículos e a ampliação e melhoramento da eficácia do sistema de vigilância com maior presença de fiscais no campo.

O Governo do Estado publicou um decreto que regulamenta o grupo de emergência sanitária. Conforme o documento, a Reserva Financeira para as Ações de Defesa Sanitária Animal (Refasa) foi readequada para que, além das ações emergenciais, essa espécie de fundo possa ser utilizada em outras diversas ações de defesa sanitária.

O abastecimento da Refasa ocorre por duas principais fontes: 35% oriundo dos recursos arrecadados pela Iagro e outros 35% provenientes da contribuição de produtores que participam do Proape (Programa de Apoio à Pecuária).

No caso da Iagro, os valores são referentes à cobrança de taxas de autorizações concedidas para o abate de aves, bovinos, bubalinos e suínos, entre outros animais. Já os 35% da contribuição obtida dos produtores que participam do Proape, se estende aos seus subprogramas, sendo o principal deles o Precoce MS.

Informações do site do Governo de MS

Envie seu Comentário