TRAGÉDIA

Pelo menos 47 mortos depois da explosão de uma indústria química na China

Impacto em zona industrial da cidade de Yancheng deixou 90 feridos, dos quais 32 em estado crítico.

 
 

23/03/2019 11h09
Por: Mirela Coelho

 
 

A explosão de uma fábrica de produtos químicos no leste da China matou pelo menos 47 pessoas, segundo informaram autoridades do país nesta sexta-feira. O acidente, último de um longo histórico na área industrial, também deixou outras 90 pessoas gravemente feridas, das quais 32 em estado crítico. As causas exatas são desconhecidas, mas a mídia local informou que a empresa proprietária da fábrica, especializada na produção de pesticidas, sofreu várias sanções administrativas por não cumprir as normas de segurança.

A explosão ocorreu nesta quinta-feira em torno das 2h48 (hora local), na cidade de Yancheng, localizada na província de Jiangsu, e foi tão forte que provocou um tremor de magnitude 2,2, registrado pela Administração Sismológica da China. Um incêndio na instalação foi provavelmente o gatilho de uma explosão que deixou a fábrica reduzida a entulho.

As chamas só foram apagadas nas primeiras horas desta sexta-feira, e a onda expansiva da explosão danificou severamente 16 prédios vizinhos e estilhaçou as janelas de dezenas de outros localizados a cerca de 3 quilômetros de distância, de acordo com a mídia local. Nas redes sociais chinesas foram compartilhados vídeos em que se veem uma enorme bola de fogo e uma densa coluna de fumaça negra sobre ela. Em outras imagens aparecem pessoas com cortes no rosto e no corpo causados pelo impacto de vidros quebrados. Os serviços de emergência resgataram 88 pessoas do local.

A fábrica é de propriedade da Corporação Química Jiangsu Tianjiayi e está localizada no parque industrial de Chenjiagang, uma área na qual várias empresas químicas estão agrupadas. A empresa, criada em 2007, produz mais de 30 compostos orgânicos, conforme explicação em seu site, muitos dos quais são inflamáveis e tóxicos. Autoridades chinesas afirmaram que, apesar da explosão e a coluna densa de fumaça que se manteve por horas ao redor da planta industrial, a qualidade do ar nesta sexta de manhã na área não apresenta riscos para os moradores. De qualquer modo, embora não haja residências no perímetro imediato ao redor da fábrica, foram retiradas de suas casas cerca de 3.000 pessoas que vivem relativamente perto do complexo industrial.

Em uma inspeção no ano passado, as autoridades chinesas constataram pelo menos 13 problemas relacionados à segurança nessa fábrica. Um deles se referia a uma válvula defeituosa que causava vazamentos em um dos tanques de armazenamento, de acordo com o jornal China Daily. A empresa também foi multada em 2016 e 2017 por motivos ambientais, especificamente por não cumprir a regulamentação de gestão de resíduos sólidos e da poluição do ar.

Acidentes industriais são uma chaga difícil de erradicar na China. Embora o número absoluto de mortes no trabalho tenha diminuído nos últimos anos, ainda há muito a ser feito em termos de segurança nas empresas. O problema não reside tanto nas leis, que no papel são suficientemente duras, mas no seu vago cumprimento e na incapacidade, sobretudo dos Governos locais, de multar empresas cuja atividade gera receitas fiscais significativas.

Em 2015, uma série de explosões em armazéns de substâncias perigosas no porto de Tianjin matou mais de 170 pessoas, incluindo muitos bombeiros que se dirigiram ao local para apagar o fogo inicial e foram surpreendidos por outras explosões. As investigações oficiais concluíram que a empresa que possui os depósitos continuou operando por muitos meses sem licença. Em novembro do ano passado, outra explosão em uma fábrica de produtos químicos na cidade de Zhangjiakou, na província de Hebei, causou 22 mortes.

De acordo com a China Labor Bulletin, uma ONG com sede em Hong Kong que defende os direitos trabalhistas dos chineses, no ano passado o país registrou mais de 606 acidentes graves, 370 dos quais causaram a morte de um ou mais trabalhadores. Seu banco de dados, reconhece a própria entidade, registra apenas os eventos mais divulgados na mídia local e dos quais há mais dados são conhecidos. Estes constituem, diz a ONG, apenas 1% do total de acidentes de trabalho que ocorrem na China. Os dados oficiais confirmam: em 2018, houve 49.000 acidentes de trabalho no país, nos quais 34.600 pessoas morreram.

Informação do site El País