03/04/2014 - Atualizado em 03/04/2014

Ocupação militar na Maré, Rio, terá 2,7 mil homens até 31 de julho

Segundo general, Forças Armadas estão autorizados a fazer prisões. Exército e Marinha vão substituir ocupação da PM neste sábado.

Por: Do G1 Rio
 
 
General Lundgren falou sobre a atuação das Forças
Armadas na Maré (Foto: Cristiane Cardoso / G1) General Lundgren falou sobre a atuação das Forças
Armadas na Maré (Foto: Cristiane Cardoso / G1)

Cerca de 2,7 mil homens das forças armadas vão substituir a Polícia Militar na ocupação do Conjunto de Favelas da Maré, Zona Norte do Rio, a partir deste sábado (5). A operação batizada de "São Francisco", coordenada pelo Comando Militar do Leste (CML), terá 2.050 homens da Brigada de Infantaria Paraquedista do Exército, 450 da Marinha, 200 da Polícia Militar e uma equipe avançada da 21ª DP (Bonsucesso). A Aeronáutica poderá auxiliar em operações, se necessário.

As informações da Força de Pacificação na Garantia da Lei e da Ordem (GLO) foram divulgadas na tarde desta quinta-feira (3), em em coletiva no Palácio Duque de Caxias, no Centro do Rio, pelo general Ronaldo Lundgren, chefe do Centro de Operações.

De acordo com o Ministério da Defesa, a Força de Pacificação atuará até o dia 31 de julho em 15 comunidades que formam a Maré, com aproximadamente 10 quilômetros quadrados. A ação será comandada pelo general de brigada Roberto Escoto, comandante Infantaria Paraquedista, unidade de emprego estratégico do Exército.

**Blindados do Exército e Marinha

A operação, segundo o general Lundgren, prevê o emprego de blindados do Exército e da Marinha, além de carros para transporte e logística, motocicletas e aeronaves do Comando de Aviação do Exército. "A Força Aérea Brasileira estará em condições de disponibilizar os recursos operacionais eventualmente necessários ao desenvolvimento das ações", acrescentou o General.

"É possível sim haver uma prorrogação e depende do interesse do governador do estado. Dependendo da decisão da presidente, estamos prontos pra prosseguir", afirmou o general. "Nossas tropas vão ocupar bases num terreno que ainda não definido. E estamos autorizados a realizar patrulhamento ostensivo, revista e prisão de flagrante e delito", acrescentou.

De acordo com o general, o horário da operação não será revelado, no entanto, segundo o decreto, pode acontecer a partir da 0h. "A operação vai ser uma substituição então as tropas que estão sob o comando da Polícia Militar", explicou.

Segundo Lundgren, a pperação foi batizada de São Francisco pelo esforço para "levar a paz pra região". "Achamos que podemos melhorar a qualidade de vida para aquela população da região", explicou o general.

(2) Comentários

Envie seu Comentário!

Restam caracteres. * Obrigatório
Digite as 2 palavras abaixo separadas por um espaço.
 

É isso ai, não se pode deixar que grupos: Milícia, Trafico e qualquer outro queira dominar em qualquer comunidade, ninguém é dono de nenhuma comunidade, elas pertencem ao Povo que tem que ter liberdade e a garantia desta pela forças oficiais de segurança e da justiça. É claro que junto com isto é preciso também as ações sociais do Estado para junto com a ação de segurança pacificar. Valeu a ação!

 
Henrique em 14 de abril de 2014 às 12:31

Acho muito importante. Os conflitos que podem haver, como infelizmente a morte de um rapaz, as vezes são inevitáveis, pois se estivesse só a PM, ou a Civil, ou a Federal isto também aconteceria. A final o que parece é que ha um movimento por trás querendo que nenhuma força entre para pacificar, pois falam da PM,das Forças Armadas e de qualquer uma que lá estiver.

 
Henrique em 14 de abril de 2014 às 12:19